A pandemia, a brutal retração econômica e a consequente queda da arrecadação formam a tempestade perfeita: as circunstâncias tendem a agravar a crise fiscal dos estados brasileiros. Somente São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Rio Grande do Sul já projetam, desde já, um déficit conjunto de R$ 38,6 bilhões para 2021. Nem mesmo as unidades da federação que já haviam feito seus ajustes e vinham trabalhando com equilíbrio nas contas públicas passaram imunes aos efeitos colaterais da Covid-19. É o caso de São Paulo e Paraná, que apresentaram superávit fiscal em 2019. 

Com a crise do novo coronavírus, estima-se que o aumento das despesas dos estados com saúde tenham subido, em média, 20%. Trata-se de mais um fator de pressão sobre as contas públicas. É importante ressaltar que, em 2019, a receita primária total agregada dos estados havia crescido 7,6% ao passado que os custos haviam aumentado 4%. 

A concertação fiscal do setor público é uma questão da maior premência e exige debates à altura do desafio imposto aos estados. Por esta razão, este foi o tema escolhido para o webinar inaugural do Foro Inteligência, uma parceria entre a revista Insight Inteligência e o BRICS Policy Center, think thank vinculado ao Instituto de Relações Internacionais da PUC-Rio (IRI/PUC-Rio). Os secretários da Fazenda Décio Padilha da Cruz (PE), Henrique Meirelles (SP), Rafael Tajra Fonteles (PI), Renê Garcia (PR) e Rogério Gallo (MT) vão palestrar sobre “O risco de uma crise estrutural nas finanças dos estados”.  

O evento será realizado no próximo dia 30 às 19 horas. Ao fim de suas palestras, os secretários de Fazenda responderão a perguntas enviadas. As inscrições estão abertas.